PMs do batalhão da Tijuca iam a Mesquita extorquir motoristas em esquema do sargento Zebu

Confira lista dos oito militares presos em operação. Chefe recebia propina de dentro do Batalhão Prisional da PM

Policiais do 6º BPM (Tijuca) se deslocavam até Mesquita, na Baixada Fluminense, para multar motoristas de transporte irregular, como vans, kombis e carros de passeio, que não pagavam propina para o grupo miliciano do sargento da Polícia Militar Márcio Lima da Cunha, conhecido como Zebu. O militar está preso desde 2018, mas recebia o dinheiro mesmo no presídio. Ele é apontado como chefe do grupo miliciano e também foi alvo de um mandado de prisão na manhã desta terça-feira no âmbito da operação ‘Direção Perigosa’.

Os policiais militares envolvidos recebiam uma semanada de propina para que o esquema funcionasse. Os dois PMs do 6º BPM, que já tiveram passagem pelo 20º BPM, cumpriam ordens expressas de Zebu. Além deles, foram presos quatro militares do 20º BPM (Mesquita) e um do 21º BPM (São João do Meriti), por recebimento de propina. Um dos militares, Daniel Henrique Monsores, foi preso fardado, após ser chamado ao 20º BPM, onde era lotado.

Confira a lista dos presos:

1) Márcio Lima da Cunha, o Zebu – Sargento da PM preso desde 2018, chefe do grupo
2) Sandra Gonçalves Pacheco, mulher de Zebú
3) Eduardo Daniel Martins Neto, sargento do 20º BPM
4) Claudir Feital Ferreira, subtenente do 20º BPM
5) Daniel Henrique Monsores, cabo do 20º BPM
6) Luciano Maurício dos Santos, cabo do 20º BPM
7) Anderson Queima Pasch, sargento do 21º BPM
8)Jefferson Perru Alves, sargento do 6º BPM
9) Vitor Gomes do Vale, cabo do 6º BPM

10) Mauro Sérgio da Silva Coelho, gerente de cooperativa
11) Anderson Vilarinho, o “Péia”, gerente de cooperativa
12) Ademir Cordeiro de Lima, recolhia propina

Além dos doze, também é alvo William da Costa Guimarães, gerente de cooperativa, que ficou com o mandado pendente nesta terça-feira. Foram cumpridos 22 mandados de busca e apreensão.

A milícia recebia taxas de três cooperativas de transporte irregulares nos bairros de Jacutinga, Santo Elias e Vila Emil, em Mesquita. Dois gerentes das companhias também foram presos. “Essa milícia cobrava taxas para que as cooperativas circulassem livremente. O receptor do dinheiro era o Zebu, que recebia o montante na cadeia”, conta a promotora do Gaeco Mariana Segadas. Era a mulher do sargento que entregava o dinheiro ao marido dentro do Batalhão Prisional da Polícia Militar (BEP), em Niterói. Sandra Pacheco também foi presa nesta terça-feira.

 O Ministério Público apreendeu R$ 4.300 em dinheiro das cobranças de taxas; diversas folhas de recibo de pagamento de segurança privada; camisas com inscrições de segurança; um simulacro de arma de fogo; duas lunetas; sete rádios transmissores; munições; um esboço de projetos de loteamento e construção de residências;19 celulares; documentos; pens drives; escrituras de promessas de cessão de direito; impressões de boletim de cadastros imobiliários; documentos pessoais; cadernos com anotações da quadrilha; e um carnê.

A investigação teve início a partir de uma denúncia do tipo notícia de fato, que foi investigada pelo Ministério Público e recebeu apoio do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). A Controladoria da PM participou da operação para o cumprimento dos mandados. A Delegacia de Repressão às Ações Crimisosas Organizadas (Draco), também participou da ação.

Segundo a promotora Mariana Segadas, não há informações sobre envolvimento do comando dos respectivos batalhões no esquema criminoso. Foi realizado pedido de afastamento imediato dos PMs investigados. A PM informou que será instaurado um procedimento apuratório no caso dos militares mencionados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido !!