18 de junho de 2024
Para o coordenador do projeto e iguaçuano Felipe Bornier o objetivo é “estimular o envolvimento dos jovens com a política”
Para o coordenador do projeto e iguaçuano Felipe Bornier o objetivo é “estimular o envolvimento dos jovens com a política”

O novo Estágio-Participação para universitários foi lançado oficialmente, na quinta-feira (9), na Câmara dos Deputados, em Brasília. O coordenador do programa, Deputado Felipe Bornier (PSD/RJ), segundo-secretário da mesa diretora, comandou o evento ao lado do presidente da Casa, Eduardo Cunha e do líder do PSD, Rogério Rosso. O novo estágio tem diferenciais que vão desde a seleção dos estudantes até o roteiro de atividades.
De acordo com Felipe Bornier, jovens poderão concorrer a uma vaga no estágio de curta duração, participando de um Quiz de perguntas sobre a Câmara dos Deputados e sobre temas de interesse nacional. “Aumentamos a oportunidade dos estudantes acompanharem de forma ainda mais interativa as atividades da Câmara dos Deputados e a complexidade do processo legislativo, ressaltou Felipe Bornier”.
O diferencial deste estágio está no dinamismo empregado na distribuição de tarefas aos estudantes e as atividades serão baseadas em assuntos de interesse nacional, como Reforma Política, por exemplo. Grupos de jovens deverão colher informações a respeito do tema produzindo fotos e vídeos, promovendo discussões nas redes sociais, entre outras atividades. Na etapa final, os universitários apresentarão o material produzido e o aprendizado durante os três dias de estágio. O resultado do trabalho será divulgado na página #tonacamara.
“Nosso objetivo é estimular o envolvimento dos jovens com a política incentivando a participação democrática. Antes, na cabeça da juventude, deputados eram pessoas inacessíveis e hoje buscamos maior interatividade e atuação cidadã”, concluiu Felipe, que é filho do prefeito de Nova Iguaçu Nelson Bornier (PMDB).

O presidente do Legislativo Federal, Eduardo Cunha (direita), prestigiou o evento
O presidente do Legislativo Federal, Eduardo Cunha (direita), prestigiou o evento

>> Inscrições e Seleção – A primeira edição do Estágio-Participação ocorrerá de 17 a 20 de agosto, com o tema Reforma Política. As inscrições estarão abertas até esta quinta-feira (15). Para se inscrever, o aluno deverá, inicialmente, responder ao quiz de perguntas. Os 40 candidatos melhor classificados serão convocados para participar do estágio.
As vagas serão distribuídas entre homens e mulheres, sendo 20 vagas para cada gênero. Todas as informações sobre hospedagem, alimentação, transporte e traje para participação no programa podem ser obtidas no portal da Câmara (www.camara.leg.br/estagioparticipacao) ou email: eparticipacao.cefor@camara.leg.br.

Renan sinaliza que PL das
desonerações será votado

Após ter se encontrado com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), sinalizou na tarde de ontem, que a votação do projeto de lei que trata das desonerações ficará para depois. Dizendo-se “muito preocupado” com o fato de o desemprego ter aumentado, Renan disse que é mais recomendável deixar a apreciação da proposta para depois do recesso parlamentar, que começa a partir do sábado, dia 18 de julho.
“Nós estamos muito preocupados com o desemprego ter aumentado, custo de produção também, a indústria tem perdido competitividade, talvez seja mais prudente deixar a votação deste projeto para o próximo semestre”, disse Renan, na chegada ao Senado.
No debate sobre o projeto, o presidente do Senado e outros senadores do PMDB têm defendido a manutenção da economia do governo de R$ 10 bilhões por ano, mas dar tratamento igual para todos os setores. No projeto aprovado na Câmara, cinco setores receberam tratamento diferenciado (comunicação social, transportes, call center, itens da cesta básica e calçados).
O governo, que desde a semana passada já admitia o adiamento da votação da proposta diante da resistência do PMDB, pretendia manter o texto que veio da Câmara. Como a medida entra em vigor 90 dias após a sanção, ela começaria a valer somente em 2016 – ou seja, o Executivo não colheria os benefícios da medida neste ano, o que é considerado crucial para o ajuste fiscal.
O presidente do Senado disse ter conversado com Levy sobre a “conjuntura nacional” e propostas que estão na ordem do dia das discussões, como o projeto da desoneração e o pacote de reforma do ICMS. Sobre esse último tema, Renan limitou-se a dizer que o governo deve editar uma medida provisória em breve. O Palácio do Planalto vai propor a criação de fundos para compensar as perdas com a redução das alíquotas do imposto. Segundo ele, Levy não tratou da eventual mudança da meta fiscal deste ano.
>> LDO – Renan disse que vai fazer um esforço para votar ainda esta semana o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2016, proposta que precisa ser aprovada pelo Congresso para que os parlamentares tenham direito ao recesso parlamentar oficial. Ele disse que vai se reunir com a presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO), senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), para discutir alternativas para a votação do texto na comissão e no plenário.

error: Conteúdo protegido !!