24 de julho de 2024

São Paulo SP 07/09/2023 - Museu foi reinaugurado no ano passado, no marco dos 200 anos da Independência do Brasil. Entre as instalações, estão o quadro de Pedro Américo que retrata o Grito do Ipiranga. Entre os mitos a serem desconstruídos, estão a ideia de que esse ato ocorreu de forma isolada e em um cênico dia, assim como ficou gravado no imaginário popular e como foi retratado na pintura. Foto Paulo Pinto/Agência Brasil

Reinaugurado há um ano durante as celebrações do bicentenário da Independência do Brasil, o Museu Paulista, mais conhecido como Museu do Ipiranga, localizado na capital paulista, não só ficou mais moderno e acessível, como também inovou, ao trazer para sua curadoria uma preocupação de ser mais plural e crítico sobre suas obras.

Monumentos que homenageiam figuras e situações controversas, como estátuas de bandeirantes, por exemplo, continuam a figurar por seus espaços expositivos, mas agora passaram a ser encarados como documentos históricos, ou seja, obras que informam ou refletem sobre um modo de se pensar à época. Ao lado deles, novas visões foram acrescentadas, ajudando a repensar o processo histórico de construção do Brasil, inclusive a que trata sobre a independência, celebrada nesta quinta-feira (7).

Uma das 11 exposições de longa duração que integram o novo museu tem exatamente a preocupação de repensar a construção histórica brasileira. Chamada de Uma História do Brasil, a mostra percorre três espaços antigos do edifício-monumento, que foram tombados por órgãos de preservação do patrimônio: o saguão de entrada, a escadaria monumental e o salão nobre, onde há a famosa pintura Independência ou Morte!, de Pedro Américo.

A exposição Uma História do Brasil apresenta a decoração que foi projetada para o edifício visando às comemorações do primeiro centenário da Independência do Brasil, em 1922, pelo então diretor da instituição, Afonso Taunay (1876-1958). 

“[Nessa época], o Museu Paulista buscava se firmar como símbolo nacional justamente para legitimar seu papel político das elites paulistas do começo do século 20. Então, a construção desse memorial, com essa narrativa dos bandeirantes como pioneiros, e São Paulo como protagonista da história nacional, buscava apoiar, no passado, uma legitimidade da situação no presente [de economia cafeeira]”, disse Isabela Ribeiro de Arruda, educadora e supervisora da equipe de educação, museografia e ação cultural do Museu Paulista, em entrevista à Agência Brasil.

Museu do Ipiranga, repensando a Independência

Carrossel – Museu do Ipiranga, repensando a Independência 

Com o tombamento, o memorial precisou manter a configuração anterior à reforma, com obras que exaltam os colonizadores, os bandeirantes e personagens e eventos ligados à Independência. Mesmo mantidos tais símbolos, o Museu do Ipiranga não é o mesmo daquela época. “Em 2022, o Museu do Ipiranga é muito diferente do Museu Paulista do início do século. As coleções foram se alterando e se ampliando ao longo do tempo também. O museu já não se enxerga como um museu da independência ou sobre a independência, mas como um museu em que uma de suas exposições trabalha com a memória de construção dessa ideia de independência”, explicou Isabela.

“O próprio título [dessa exposição] procura problematizar a ideia de que há uma história única, ou verdadeira, provocando a gente a pensar que essa é uma história, uma construção de história, realizada há mais de 100 anos, para quem enxergava a narrativa da história brasileira com um determinado viés. Mas hoje, as curadorias do museu tentam problematizar essa construção”, acrescentou a  educadora.

Um exemplo disso é uma pintura instalada na região da escadaria, que retrata um bandeirante. Na obra, o bandeirante está apoiado sobre uma arma, destacado em primeiro plano, e rodeado por figuras indígenas. Acima da pintura, há a inscrição Ciclo de Caça ao Índio.

“Chegamos a discutir [na curadoria] se poderíamos alterar ou trocar esse título e se ele estaria no tombamento. Mas, além de não podermos alterá-lo, a curadoria entendeu que a permanência de tais imagens e títulos como um documento seria algo que nos ajudaria a lembrar que essa narrativa teve força socialmente por muito tempo”, disse Isabela.

“Então, quando falamos em demarcação de terras indígenas, em marco temporal e em embates sobre a preservação de monumentos públicos com a mesma temática, a permanência desses elementos dentro do museu permite que o debate seja garantido e que tenhamos isso como memória que traz reflexão sobre o presente. Óbvio que não é um debate simples, porque esbarra em subjetividades e direitos, tanto de memória quanto de esquecimento. Mas, enquanto espaço público, nos propomos a manter o debate vivo para que não seja algo apagado da memória do país.”

Pluralidade e Contrapontos

Como o espaço expositivo não poderia ser alterado por causa do tombamento, a estratégia pensada pela curadoria do novo museu para problematizar a narrativa foi usar recursos multimídia. “A exposição Uma História do Brasil e as outras exposições do eixo Para Entender a Sociedade contam com recursos que a gente chama de contrapontos, que são recursos multimídia e interativos que trazem uma visão sobre o tema daquela exposição sob um olhar de outros grupos sociais”, disse Isabela.

Os contrapontos são feitos, por exemplo, por meio de depoimentos gravados de líderes indígenas e de movimentos sociais. “A ideia é que seja realmente um olhar de fora sobre os temas que trabalhamos aqui no museu. São recursos interessantes para a gente pensar o museu como um espaço plural – não só do próprio museu assumir o compromisso de rever suas narrativas curatoriais, mas também em acolher outros olhares sobre essas sistemáticas.”

Um dos objetivos do novo Museu Paulista é dar visibilidade a uma parcela da população brasileira que esteve silenciada do processo histórico, como negros, indígenas e mulheres. “Um dos principais objetivos, ao problematizar essa narrativa, é identificar quais são os personagens que foram inseridos ou escolhidos para estar nessas narrativas e quais não estão, quais são as ausências. Claro que temos presenças que são problemáticas como, por exemplo, uma pintura [instalada na parede do lado direito, próxima ao teto da escadaria principal do museu] em que há uma pessoa negra representada. A representação é muito problemática porque [essa figura negra] tem uma costura totalmente distorcida e uma relação de submissão explícita em relação a um outro personagem, branco, que está ereto”, disse a curadora.

Além da representação de um único personagem negro, a exposição Uma História do Brasil apresenta apenas três mulheres, “num panteão de homens, quase todos brancos”, acrescentou Isabela. Uma dessas mulheres é Leopoldina, primeira esposa do imperador Dom Pedro I. Há também uma pintura que retrata Maria Quitéria, que lutou pela independência do Brasil na Bahia; e Joana Angélica, uma religiosa que foi assassinada durante o processo de independência. “Há também alguns personagens indígenas que estão representados, mas numa chave de submissão e de assimilação do processo colonial.”

“A ideia do museu é problematizar como essas representações foram feitas e o que elas trazem, enquanto informação e objetivo, no momento de sua produção e quais foram as reverberações dessas imagens ao longo do tempo, que foram muito difundidas em livros didáticos, cinemas e diversas mídias, inclusive em memes. O museu é um lugar para provocar reflexões, e não necessariamente para dar respostas prontas”, completou.

Independência ou Morte!

A obra mais conhecida do Museu Paulista é o quadro Independência ou Morte!, produzido pelo pintor paraibano Pedro Américo. “A pintura foi produzida em Florença, na Itália, praticamente concomitante com a construção do próprio prédio. Ela foi produzida para estar nesse espaço [o salão nobre]”, explicou Isabela.

De acordo com a educadora, na obra, Pedro Américo inseriu elementos propositadamente para identificar o episódio da Independência como um acontecimento paulista, que se deu na região do Ipiranga, local onde hoje está localizado o museu. “Ele inseriu na tela o Riacho do Ipiranga com uma grande dramaticidade, com a pata do cavalo resvalando na água. A gente tem também o próprio relevo do terreno, com esse declive. E ele também inseriu uma edificação, que é a Casa do Grito, que recebeu este nome por conta da pintura. Mas algo que temos sempre que lembrar é que a pintura Independência ou Morte! foi produzida muitos anos depois do acontecimento, mais de 60 anos depois do episódio do 7 de setembro de 1822. A própria Casa do Grito não existia em 1822”.

Após o restauro, a pintura continuou a ocupar o espaço para o qual tinha sido inicialmente pensada. Só que agora novos elementos inseridos no salão nobre permitem que o visitante obtenha outras informações sobre a tela de Pedro Américo. “Inserimos aqui no salão nobre um recurso multimídia que mostra um pouco da produção [da pintura], com seus esboços e registros textuais. O que buscamos trabalhar com essa pintura é a ideia de que ela é uma representação, de que ela foi pensada quase como uma celebração dessa memória da independência, e não como uma pretensa representação da realidade”, disse Isabela.

É com esses elementos multimídia, os contrapontos e uma reflexão sobre seu papel histórico que o Museu Paulista concebe uma nova curadoria, fomentando em seu público o questionamento sobre os símbolos e imagens que detém em seu acervo. “Procuramos aqui não fazer o papel de um profeta do passado de forma a voltarmos e consertarmos essa narrativa, já que ela sempre terá problemas e será um raio-X de seu próprio tempo. Mas queremos pensar um pouco sobre que outras narrativas podemos construir hoje, como elegemos atores, heróis e destaques e que efeitos isso pode ter ao longo do tempo. O museu se propõe a ser esse espaço de debate.”

Edição: Nádia Franco – Elaine Patricia Cruz – Agência Brasil –