21 de julho de 2024

Apesar do aumento de 41% nas vendas do último ano, o tema ainda sofre com falta de estímulo governamental – Segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), o ano de 2022 fechou com 49.245 unidades de automóveis híbridos (HEV), híbridos plug-in (PHEV) e elétricos (BEV) vendidos. Ou seja, um aumento de 41% comparado com o ano anterior. Já no mês de abril deste ano, foram 4.793 emplacamentos de veículos leves eletrificados, um crescimento de 53,5% em comparação a abril de 2022. Porém, apesar dos dados favoráveis, os carros elétricos ainda sofrem com pouco incentivo no Brasil.

Para Ricardo David, sócio diretor da Elev, empresa especializada no ramo de mobilidade elétrica, essa falta de incentivo pode segregar o Brasil do cenário global. “Apesar de existirem diversos projetos e investimentos, o Brasil precisa de fortes incentivos governamentais para estar presente nesse cenário”, afirma o sócio. “Mesmo havendo um crescimento no mercado, o valor elevado do dólar e, principalmente, o custo de fabricação, são fatores que contribuem para os elevados preços, que estão concentrados, principalmente, no alto valor das baterias”, afirmou.

Recentemente, o Governo Federal mostrou interesse no assunto e ressaltou a importância da indústria automotiva para a atividade econômica do país. Algo amplificado, principalmente, após a viagem do presidente Lula à China. Os preços nacionais variam conforme o modelo, mas geralmente começam em valores próximos a R$ 150 mil e podem ultrapassar R$ 500 mil, a depender das importações e especificações de cada veículo.

Ricardo David também aponta que, com investimentos como o estabelecimento da fábrica da BYD na Bahia e com a produção de baterias em Minas Gerais, podemos ver um barateamento dos eletrificados. Deste modo, também teríamos o fortalecimento do mercado externo brasileiro, com a exportação desses produtos. “Caso haja uma rede consolidada de montagem no Brasil, grandes empresas poderão exportar os produtos para demais países da América Latina, por exemplo”, afirmou David.

O sócio-diretor acredita que o governo e empresas privadas precisam trabalhar em conjunto para desenvolver infraestrutura e projetos que beneficiem e ampliem esse mercado, e, além disso, conscientizar a população sobre os benefícios de possuir um carro elétrico. “Mais do que incentivos financeiros, é imprescindível promover conscientização aos consumidores sobre o benefício ambiental e econômico de possuir um carro elétrico. A eletrificação de veículos ajudaria a reduzir as emissões de carbono em centenas de milhões de toneladas”, completou.

Além disso, o executivo completa, defendendo que é necessário um Plano Nacional para o desenvolvimento do setor. Outro aspecto apontado pelo especialista é que o Brasil tem caminhado em uma boa direção, principalmente quando tratamos das ações recentes, que buscam a aproximação desse mercado.

Sobre a Elev

Fundada em 2021, a ELEV é uma empresa que oferece ao mercado soluções para o ecossistema de mobilidade elétrica, desde o aplicativo que indica os eletropostos pelo país, até a implantação de pontos de carregamento elétrico e atuação em Pesquisa e Desenvolvimento.