Lindberg critica modelo econômico da presidente Dilma

"Se formos nessa direção, chegaremos ao desemprego de 10% no começo do próximo ano", disse o senador Foto: Agência Senado

“Se formos nessa direção, chegaremos ao desemprego de 10% no começo do próximo ano”, disse o senador
Foto: Agência Senado

O ex-prefeito de Nova Iguaçu e senador Lindberg Farias (PT-RJ), uma das lideranças petistas que participou, ontem, na capital paulista do lançamento da publicação “Por um Brasil Justo e Democrático”, afirmou que o documento tem o objetivo de aumentar a pressão sobre o governo Dilma Rousseff pela mudança da política econômica atual. A Fundação Perseu Abramo, autora do documento, é um centro de estudos criado e mantido pelo PT.
Na avaliação de Farias, os “remédios amargos” receitados pela equipe econômica não funcionaram. Para Lindbergh, não há saída para crise se o governo não tomar medidas “corajosas”, como a redução da taxa básica de juros (Selic). “Se formos nessa direção, chegaremos ao desemprego de 10% no começo do próximo ano”, disse.
O parlamentar afirmou que a presidente Dilma Rousseff não pode se render ao mercado financeiro. Isso porque, segundo ele, quem vai defender o mandato da petista não será o setor financeiro, mas a população e os movimentos sociais que têm sofrido com o ajuste fiscal. “O que fragiliza o governo é a política econômica”, afirmou. De acordo com Lindberg, a ideia é lançar o documento em outras cidades, como Brasília e Rio de Janeiro.
O lançamento contou com a presença também de presidentes do PT no Estado de São Paulo, Emídio de Souza, e municipal, Paulo Fiorilo, além do presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Antonio Donato. Presentes também o líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, o ex-presidente do PSB Roberto Amaral e o economista Luiz Gonzaga Belluzo, consultor econômico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O presidente nacional do PT, Rui Falcão, e o ex-presidente Lula não compareceram ao evento.

error: Conteúdo protegido !!